Província
São Lourenço
de Brindes
Freis Capuchinhos do Paraná e Santa Catarina

CÚRIA PROVINCIAL:
Rua Alcides Munhoz, 190 - Caixa Postal: 18.833 - CEP 80410-980 - Curitiba, PR
Tel.: (41) 3335 2323 / Fax: (41) 3335 1087

Milagros Ortelís Gimeno – 26

Beata_Maria_dei_Miracoli-Milagros-Ortelles_GimenoMILAGROS nasceu em Valência aos 29 de novembro de 1882, na rua Zaragoza e foi batizada no dia se- guinte (30 de novem- bro), na igreja paroquial de São João Batista. Foi a terceira e última filha do casal Henrique Ortelís e Dolores Gimeno. Durante a sua infân- cia era muito devota e o ambiente familiar no qual se criou era eminentemente cristão. Os seus vizinhos recordam que “a sua piedade era extraordinária; o seu amor à penitência singular era ao extremo de, em certa ocasião, a sua mãe surpreendê-la aspirando catingas”, por não haver outro modo para mortificar-se (…). Na igreja, ao invés de se sentar na cadeira, sentava-se no soalho (…)”. A Irmã Virtudes, capuchinha, recorda-se que Irmã Milagros “entrou na Ordem Capuchinha levada pelo seu desejo de maior perfeição. Sua mãe havia-lhe proposto ser religiosa reparadora, mas não quis aceitar; buscando a maior estreiteza da Regra Capuchinha”. Ingressou no mosteiro das capuchinhas de Valência aos 9 de outubro de 1902. Ali recordam que “quando ingressou o fez com muito entusiasmo”. Nesse convento exerceu os cargos de enfermeira, refeitoreira, porteira, sacristã e mestra de noviças, todos ofícios que desempenhou com fidelidade. Suas irmãs religiosas descrevem sua autêntica personalidade com estes traços: “Era muito caridosa, oferecendo-se sempre a prestar qualquer serviço às suas irmãs religiosas. Era vista sempre recolhida. Após o Ofício de Matinas da meia-noite permanecia ainda por mais um pouco de tempo, com a intenção de praticar maior penitência”. “Gozava de fama de santidade entre suas religiosas ao ponto de exclamarem sempre: é uma santinha”. Sua piedade era sólida e a característica mais saliente era o seu amor à Eucaristia e à Imaculada. A sua penitência era extraordinária, usando disciplinas, cilícios. Era muito estimada por todas as religiosas e observava muito bem toda a Regra. A oração e a presença de Deus eram evidentes nela. A sua humildade aparecia claramente ao sentir-se indigna de aceitar cargos e até de receber a Eucaristia. Com a chegada da revolução, teve que se refugiar na casa de sua irmã Maria, em Valência, levando ali vida de oração e recolhimento. Depois refugiou-se numa casa da Rua Maestro Chapí, em Valência, onde viviam também outras religiosas da Doutrina Cristã. Ali foi detida por um grupo de milicianos aos 20 de novembro de 1936 e assassinada com 17 religiosas da Doutrina Cristã, num lugar conhecido como “Picadero de Paterna”. Foi sepultada no cemitério de Valência. Aos 30 de abril de 1940 foram exumados seus restos mortais e transladados para o mosteiro das capuchinhas de Valência, onde atualmente repousam. Foi beatificada aos 11 de março de 2001 pelo Papa João Paulo


Liturgia Diária

Evangelho: 5ª-feira da 28ª Semana do Tempo Comum

Santo: São Paulo da Cruz

Publicações VEJA +
Enquete
Quais trechos da Bíblia você consulta mais?
Ver o resultado