Província
São Lourenço
de Brindes
Freis Capuchinhos do Paraná e Santa Catarina

CÚRIA PROVINCIAL:
Rua Alcides Munhoz, 190 - Caixa Postal: 18.833 - CEP 80410-980 - Curitiba, PR
Tel.: (41) 3335 2323 / Fax: (41) 3335 1087

Berardo de Lugar Nuevo de Fenollet –

berardoBERARDO nasceu em Lugar Nuevo de Fenollet (Valência, Espanha) aos 23 de julho de 1867 e foi batizado na paróquia de São Diego de Alcalá de Lugar Nuevo, aos 28 de julho do mesmo ano, pelo pároco Don António Donat, com o nome de José. Era o primeiro dos três filhos do casal José Bleda Flores e Rosária Antónia Grau Más. Na sua cidade recordam que “foi um menino muito piedoso desde a sua infância. Em sua casa – dizem – conserva-se uma pedra, na qual, segundo o dizer de todos, se ajoelhava para a oração. Sua família era muito cristã. “Embora sentisse desde a sua infância o desejo de abraçar a vocação religiosa e um irmão prestava serviço militar em Cuba. José teve que ajudar os pais e assim atrasou a entrada na Ordem Capuchinha até ao retorno deste irmão”. Ingressou entre os Capuchinhos em 1900, como frade “leigo” e estava com 32 anos quando recebeu o hábito, aos 2 de fevereiro de 1900, das mãos do Ministro Provincial, fr. Luiz de Massamagrel. Emitiu a profissão tem- porária aos 2 de fevereiro de 1901 em Massamagrel e a perpétua aos 14 de fevereiro de 1904, em Orihuela. Os religiosos dizem “que era filho da obe- diência. O seu temperamento era extra- ordinariamente pacífico e a qualidade em que mais se destacava sua entrega à vontade de Deus (…). Fiel observante da Regra e Constituições Capuchinhas, fr. Berardo era um santo homem e religioso exemplar. Não ousava levantar o olhar a nenhuma parte (…). Cumpriu perfeitamente os cargos que os seus superiores lhe confiaram. Era amado por todos os que o conheciam”. Depois de professar, foi destinado ao Con- vento de Orihuela (Alicante), onde passou toda sua vida como esmoler e alfaiate da fraternidade. Edificou a gente da cidade com vida exemplar quando esmolava e sua fraternidade com a bondade, humildade e santidade de vida. Fechado o convento por causa da perse- guição de 1936, fr. Berardo refugiou-se na sua cidade com seus familiares, dedicando-se à oração e às obras de caridade, mostrando sempre grande paciência e resignação. Estava quase completamente cego. Na noite de 30 de agosto de 1936 foi detido pelos membros do comitê local, com o pretexto que deveria fazer algumas declarações. Puseram-no num carro e conduziram- no pela estrada de Beniganim, distrito de Genovês (Valência), onde foi assassinado. No Registro Civil, sua morte é datada aos 4 de setembro de 1936. O senhor Francisco Cháfer, habitante da cidade, recorda como descobriu o cadáver de fr. Berardo: “No final de agosto, num dia muito quente, ia com meu pai até à vizinha cidade de Beniganim e vi na sarjeta da estrada o cadáver de um ancião. Meu pai disse-me para prosseguir adiante e eu, menino de 13 anos, vencido pela curiosidade, aproximei-me e vi que tinha recebido um tiro no olho que sangrava abundantemente”. Assim se soube da sua morte. Seu corpo foi sepultado numa fossa comum, no cemitério de Genovês e seus restos mortais não puderam ser identificados. Foi beatificado a 11 de Março de 2001 pelo Papa João Paulo II.


Liturgia Diária

Evangelho: 5ª-feira da 28ª Semana do Tempo Comum

Santo: São Paulo da Cruz

Publicações VEJA +
Enquete
Quais trechos da Bíblia você consulta mais?
Ver o resultado